Redigir com clareza

Achado: 10
Uma redação clara parte e depende de um raciocínio lógico. Defi na à partida.
Seja direto e interessante. Pense sempre nas pessoas a quem a mensagem realmente se dirige: para além do chefe ou do revisor das traduções, há os utilizadores fi nais. À semelhança de quem redige, também eles têm pouco tempo. Quem são, que conhecimentos têm e que informações lhes devemos transmitir?
Se o seu plano contiver um resumo, redija-o em primeiro lugar: poderá chegar à conclusão de que não é necessário acrescentar mais nada! Coloque-o no início do documento, porque esta é a primeira (e por vezes a única) parte que as pessoas leem.
O valor de um documento não é proporcional à sua dimensão. Os seus leitores não o respeitarão mais por ter escrito 20 páginas em vez de 10, sobretudo quando se aperceberem de que 10 páginas teriam bastado para apresentar a argumentação. É muito mais provável que fi quem irritados consigo por lhes ter feito perder mais tempo do que o necessário.
Por vezes, há que redigir (ou melhorar) um documento que contém muitos factos e ideias. Eis aqui algumas formas de simplifi car a informação para que os leitores compreendam de imediato cada frase.
Uma forma muito simples de escrever com mais clareza é substituir…
As mensagens objetivas são claras — a linguagem abstrata pode ser vaga e desencorajante. Abusar da abstração pode mesmo levar o leitor a pensar que o autor do texto não sabe do que está a falar ou que algo de suspeito está na origem desta verborreia.
Outra forma simples de redigir com clareza é utilizar verbos na voz ativa («o ministro apresentou o plano») e não na passiva («o plano foi apresentado pelo ministro»). Compare as seguintes frases:
Fuja dos falsos amig. Os falsos amigos ou falsos cognatos são pares de palavras de línguas diferentes que têm uma estrutura externa muito semelhante ou equivalente mas cujo signifi cado é completamente diferente.
Use corretores automáticos para veri fi car a ortografi a e a gramática, mas lembre-se de que não detetam todos os erros.

© União Europeia, 2013

Study in Poland