8. Não seja passivo, prefi ra a voz ativa

Outra forma simples de redigir com clareza é utilizar verbos na voz ativa («o ministro apresentou o plano») e não na passiva («o plano foi apresentado pelo ministro»). Compare as seguintes frases:

cloudy.png sun.png
Novas orientações foram defi nidas pelo presidente para que a extensão dos documentos apresentados pelas direções-gerais seja limitada a 15 páginas. O presidente definiu novas orientações para que as direções-gerais limitem a extensão dos documentos a 15 páginas.

Como tornar uma frase mais clara suprimindo as passivas...

cloudy.png cloudy_sun.png
obscura:
Segundo uma recomendação formulada pelo Parlamento Europeu, uma simplifi cação do procedimento deve ser tomada em consideração pelos Estados-Membros.
um pouco melhor:
O Parlamento Europeu formulou uma recomendação nos termos da qual os Estados-Membros devem considerar uma simplifi cação do procedimento.

… e, por último, substituindo os substantivos abstratos por verbos:

sun.png muito melhor:
O Parlamento Europeu recomendou que os Estados-Membros considerem simplifi car o procedimento.

Diga quem faz o quê

Se preferir a voz ativa à voz passiva, a sua redação tornar-se-á muito mais clara porque será obrigado a referir o sujeito da frase - a pessoa, a organização ou aquilo que realiza a ação.

Neste primeiro exemplo identifica-se facilmente o sujeito da ação…

cloudy.png sun.png
Este projeto foi apoiado a nível da Comissão. A Comissão apoiou este projeto.

… mas, neste segundo exemplo, a identificação não é possível:

Julga-se conveniente que a publicidade ao tabaco seja proibida na União Europeia. Quem julga conveniente? O autor, a Comissão, o público, os médicos?

Contudo, não é necessário evitar a voz passiva custe o que custar. A passiva é útil, por exemplo, quando o sujeito da frase é tão evidente que não é necessário referi-lo («incentiva-se o pessoal da empresa a redigir com clareza»).


© União Europeia, 2013

Study in Poland
Privacy Policy